É um assunto que divide opiniões. É comum que modelos ao serem convidadas para um shooting peçam a alguém de sua confiança para acompanhá-las. Mas aí tem fotógrafo que acha ruim ou até proíbe a presença de outra pessoa que não a modelo dentro do set. A pergunta é: quem está certo nessa história toda? A resposta não é tão simples. Por isso, vamos refletir um pouco a respeito:

“Eu topei fazer uma permuta com um fotógrafo, mas quando disse que meu namorado ia junto ele mudou totalmente o tratamento comigo e disse que não permitiria. ”

Depois do ensaio de nu artístico, fiz essa foto da modelo com o namorado que acompanhou todo o shooting. Rogério foi super prestativo deu o maior apoio para que a Alessandra se sentisse a vontade.

Já ouvi isso de modelos, já li isso em grupos de permuta e jobs e até mesmo clientes já me relataram uma experiência assim com outros fotógrafos. Afinal, a modelo pode ou não pode levar acompanhante no dia do ensaio? A minha resposta é: claro que pode! Uma pessoa da confiança da modelo acompanhando o ensaio passa segurança, ainda mais quando for uma modelo que está dando os seus primeiros passos na carreira. Namorado (ou namorada), pai, mãe, irmão, melhor amiga… todos têm que se sentirem bem-vindos para acompanhar a modelo. Eu, particularmente, aconselho a desconfiar de fotógrafos que proíbem acompanhantes. Se o fotógrafo não tiver uma equipe então, pense muito bem antes de aceitar.

Infelizmente muitas pessoas de caráter duvidoso começaram a entrar para o ramo da fotografia. Criou-se a ilusão de que ser fotógrafo é sinônimo de conseguir sexo fácil. Já ouvi relatos perturbadores de modelos que foram assediadas por fotógrafos e acredite, isso é muito mais comum do que você imagina. Por isso mesmo que muitas modelos pedem pra levar acompanhantes. É uma forma delas se sentirem mais seguras. No mundo de hoje não dá para aceitar que uma modelo vá sozinha, ao encontro de um desconhecido e num lugar que ela não sabe onde fica. Isso porque nem estamos falando de ensaios de nu artístico, onde frequentemente o set é mais isolado. Fica complicado fazer um nu em plena Avenida Paulista ou no Pão-de-Açúcar, por exemplo. Então geralmente são escolhidos lugares abandonados, casas, quarto de hotel ou motel ou mata fechada.

Você pode inclusive achar uma utilidade pro acompanhante.

Bom, vamos analisar o outro lado, o lado do fotógrafo. Muitos alegam que uma pessoa acompanhando pode desconcentrar e atrapalhar o ensaio. E muitas vezes com toda a razão. Portanto, se você é modelo, pense bem em quem você vai levar junto. Tem algumas pessoas que são um verdadeiro terror dentro do set:

Palpiteira: é aquela pessoa que acha que manja tudo de fotografia, expressão e pose. Aí o pobre fotógrafo vai lá, usa toda sua técnica pra posar a modelo, cria uma atmosfera toda fashion, consegue arrancar um carão e… a criatura grita lá do fundo “coloca a mão na cintura e manda beijinhooo!”. A modelo se perde totalmente e a pose que estava perfeita já não existe mais. Dá vontade de pegar a alça da câmera e… vamos pro próximo.

Namorado ciumento: as vezes o cara não fala nada, mas a modelo fica toda hora olhando pra ele pra ver se está aprovando a cena ou a pose. Ele não entende que a modelo está na frente de um profissional que só tem uma única intenção: deixar a namorada dele linda. Tem alguns que chegam até a soltar um “assim não”. O clima no set fica tenso e o que era pra ser um editorial fashion acaba virando um book do Bob Esponja.

Apressadinhos: para quem não é do mundo da moda, um editorial pode ser muito chato de se assistir. Falo isso sem a menor cerimônia porquê é a realidade. Um shooting pode ser bem demorado, pois depende de vários fatores. Se a modelo for novata por exemplo, leva um tempo para se soltar. E se tentar apressa-la, pode ter certeza que as fotos ficarão tensas. Se for um shooting externo, muitas vezes tem-se que fazer uma pausa para esperar as condições de luz adequadas. Fora outras coisas como troca de figurino, mudança no penteado, retoque na maquiagem, etc. Aí o acompanhante fica toda hora olhando pro relógio e olhando pra modelo ou fica perguntando pra equipe “quanto tempo ainda vai demorar? ”. Isso detona com a alegria de qualquer fotógrafo.

Isso só para citar alguns casos. Portanto, volto a dizer, defendo que modelos tenham direito de levar acompanhantes. Mas se você é modelo, pense bem em quem você vai levar. Não importa se você está pagando o fotógrafo, se é permuta ou se é pra algum cliente. O clima no set tem que ser agradável para todos.

Os bailarinos Geovanna e Thiago posando durante o fim de tarde na ponta da praia na cidade de Santos, SP.

Não faz muito tempo eu fotografei uma modelo novata, lindíssima e um amor de pessoa. Ela contou que a avó queria acompanhar o ensaio no estúdio. A modelo a pediu para que não fosse. Não porque a avó fosse dar palpites ou atrapalhar, mas a própria modelo disse que se sentiria retraída. Ela usou o bom-senso e o autoconhecimento em prol de belas cenas. Quem sabe numa próxima, né? Vó é sempre bom.

Quero também falar diretamente aos colegas fotógrafos. É muito difícil passar uma boa impressão nas redes sociais, né? Por mais que o seu portfólio seja bom, como você pode passar confiança para as modelos que você quer fotografar?

Primeiro, se profissionalize. Deixe o seu material o menos amador possível para que clientes e modelos vejam que você leva sua profissão a sério.

Conseguiu a modelo que você queria? O que acha de agendar uma reunião prévia com ela? Assim vocês se conhecem pessoalmente, quebra o gelo e fica mais fácil pra definir poses e estilos e também expor o modo como você trabalha. Um shopping não seria nada mal pra esse encontro. E sem reclamar da distância, hein!

Outra coisa importante: tenha um material inédito na manga. Mostre esse material no particular (Whats, chat do Face ou Insta, pessoalmente) para que a modelo veja que você não copiou da internet. Fotos suas nos bastidores são sempre bem-vindas também. Arrume uma equipe. Se você for um fotógrafO (e não uma fotógrafA), tenha uma mulher na equipe. A modelo pode precisar de ajuda para se trocar ou ajustar o figurino e, como você já TEM que saber, o fotógrafo jamais deve tocar na modelo. Pra finalizar, coloque uma coisa na sua cabeça: você é um profissional e tem que fazer um trabalho bem feito com ou sem acompanhante no set. E se o acompanhante estiver realmente se intrometendo de forma a atrapalhar o shooting você pode, de forma educada, convidá-lo a se retirar.

Em suma, seja você fotógrafo ou modelo, lembre-se que a flexibilização, diálogo e bom-senso são os principais ingredientes da receita de um editorial de sucesso. Pratique-os sempre!

Desejo a todos muitos jobs e fotografias de cair o queixo!

 

PS.: Você percebeu que no texto sempre me refiro “à modelo”. Coloco a modelo no feminino porque é o sexo que mais vem sendo prejudicado com abordagens indevidas. Porém, tenha em mente que todas as medidas descritas aqui devem ser de conhecimento de mulheres, homens, moças e rapazes.

Clique aqui e leia mais artigos do nosso blog de Estilo & Comportamento

 

Tudo nessa foto ficou perfeito. Desde a beleza e espontaneidade dos modelos até o belo cenário do litoral sul do Estado de São Paulo.

Pin It on Pinterest